terça-feira, 30 de setembro de 2014

Curitiba, Abril de 2014 (e não só) - Parte III

No segundo post que escrevi sobre a nossa última viagem a Curitiba, deixei no ar uma leve promessa de discursar sobre a gastronomia e os restaurantes curitibanos.

Pois bem, é agora.

Acreditam que não sei o que é que poderia classificar de comida típica curitibana? Há uma variedade multi-cultural de opções e creio que não estarei muito longe da verdade se disser que a comida típica é a que se come em casa, com o cunho pessoal de cada um. Que me corrijam os meus queridos amigos curitibanos se eu estiver a dizer um grande disparate!
Se se for comer fora, há para todos os gostos. Os restaurantes mais comuns são os que fornecem comida italiana. E o tipo de serviço mais abundante é o rodízio. Existem também as cadeias de fast-food, a mais popular das quais é o Habib's (que sendo um restaurante de fast food árabe - Sfiha e quibe, basicamente, se congratula de vender também os verdadeiros, os genuinos pastéis de nata portugueses... cof... cof... é... mais ou menos..).

Ora, a primeira vez que entrei num restaurante de rodízio de pizza, foi em Curitiba, em 2006. Para mim, foi uma experiência totalmente inédita, e mal aproveitada. Mas eu não aprendo. Não sei funcionar com rodízios nem buffets. Chego lá cheia de fome e só aproveito as primeiras ofertas que chegam à mesa. Depois, fico cheia e tenho que esperar um pouco (rejeitando coisas teoricamente irresistíveis, ai que sofrimentooooo!), para poder comer outra coisa extraordinária para mim: as pizzas doces. Ele há de chocolate de
leite, chocolate branco, sonho de valsa, serenata de amor, chantilly com fruta, chocolate com fruta, brigadeiro, and the list goes on.
Mamma mia! Que loucura. Tudo em massa fina e com recheios não muito generosos, mas deliciosos.
As minhas sugestões para conseguir provar a maior variedade possível:

- Colocar as margens de massa de lado.
- Não repetir sabores.
- Tentar não se encher de líquido durante a refeição.

Claro que estas eram loucuras de outros tempos, porque agora ando muito atinadinha com as experiências alimentares. Sobretudo no que toca a quantidades. :-P

Adiante.

A outra categoria de restaurante muito bem representada, é a das churrascarias. Há várias espalhadas pela cidade e são o típico ponto de encontro para quem vai sair à noite para comer. As mais emblemáticas enchem mesmo nos dias da semana e é ver filas à porta de grupos de amigos, aniversariantes e os seus séquitos, famílias inteiras... E não se pense que é só para pessoas de menos posses, ou que se vestem de fato de treino para sair (peço desculpa se o comentário pareceu jocoso, mas não é de todo essa a intenção. Apenas pretendo enfatizar melhor a minha ideia), porque o dress code inclui tanto o tal fato de treino, como o vestido de noite e o fatinho com a gravatinha. Vê-se desde empresários, até avózinhas.

As churrascarias curitibanas são, regra geral, edifícios com um salão grande, pé-direito altíssimo, amplo e desafogado. Têm mesas corridas e um buffet de saladas e acompanhamentos. As carnes vão sendo servidas em jeito de rodízio, à mesa. Ui, que carnes...! Cada corte mais tenro e saboroso, como é raro. E sobretudo não se encontra nos Chimarrão da vida das praças
de alimentação dos Shoppings. E há desde carne de vaca (vários cortes, dizia eu), até às linguiças, salsichas variadas, frango... Tudo no churrasco. Até me dá água na boca só de recordar. ;-) ).

A primeira vez que fui a uma churrascaria foi assim: pedi ao namorado para me trazer um prato com salada, polenta frita e arroz e fiquei a ver passar as iguarias de carne e a experimentar um pouco de cada. Mas na segunda vez... Ai, na segunda vez, descobri algo que me fez não voltar a querer comer carne numa churrascaria... (Tsc...tsc... estrangeiras... tsc... tsc... Portuguesas... LOL)

Pois que na segunda vez, resolvi ir eu escolher as saladas e deparei-me com um buffet de Sushi e Sashimi ali, à disposição, modo: all you can eat e... Uf.. Regressei à mesa com um prato cheio de iguarias japonesas, o picle de gengibre, o wasabi verdinho e o pratinho de shoyu on the side. E hashi, claro! Que eu cá, não cometo o sacrilégio de comer comida japonesa com garfo e faca.
Comi todo o sushi que consegui, e claro que já não consegui provar carne nenhuma. Mas o sushi para mim vem primeiro. Por muito que quem me acompanhava ficasse dividido entre o choque e o ar divertido.

Eu sei, sou esquisita. Contudo, o sushi é das poucas coisas a que eu não consigo resistir MESMO (hum... talvez haja aqui um certo nível de exagero, mais uma vez... hehehe). Miseravelmente, não me recordo do nome das churrascarias a que fui, mas de uma maneira geral, a qualidade é boa. E já sabem que nas maiores há Sushi à descrição. ;-) E do bom!

O Sul do Brasil é enriquecido por uma vasta comunidade japonesa, sendo que entre Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo, reune-se a maior comunidade japonesa fora do Japão. Posto isto, não surpreende que haja em Curitiba restaurantes típicos japoneses, com ramen cozinhado por Chefs japoneses e com ingredientes importados disponíveis no mercado brasileiro graças, precisamente, à relevância da comunidade nipónica nesta região. Também experimentei um destes: uma maravilha. Desde a simpatia do staff até ao sabor e aromas apurados da comida. Se passarem por Curitiba não deixem de dar um saltinho ao "Lamen House". Fica a dica. ;-)

Mudando um pouco o assunto, dentro do tema “gastronomia”, queria falar-vos do famoso pastel de vento que não é exclusivo de Curitiba (pelo contrário), mas que é bem típico no Brasil (quem quiser provar, aconselho vivamente a "lanchonete" Feel Rio, na Baixa de Lisboa, Rua do Crucifixo. Se lá forem, não deixem de provar o caldo de cana, enfim, se forem gulosos, porque aquilo não leva açúcar adicionado mas é doce "pra dédéu"!).

Em Curitiba podem comer-se em quase qualquer lanchonete de esquina, mas onde provei uns de comer e chorar por mais foi no Mercado Municipal da cidade. Acabadinhos de fritar, o ambiente do mercado em pano de fundo e uma fomeca razoável de ter passado a manhã a passear pela cidade, tornaram aquela a refeição mais apreciada em muito tempo! Isto, em 2008! Miseravelmente (again) também, não tenho registo fotográfico próprio do Mercado Municipal, e também nẽo foi este ano que consegui obtê-lo. Viajar
com um garoto de menos de dois anos, torna-se complicado para registos fotográficos em locais públicos.. haha
(Ah, até agora, em todas as minhas 4 vizitas a Curitiba, fiz questão de passar lá no Mercado para trazer o delicioso café de Minas moído na hora e
com um aroma de fazer virar cabeças, bem como a cachaça envelhecida para trazer para Portugal. Ah, e o molho de soja de jeito, claro).
Ficam umas fotografias retiradas da internet para terem uma ideia de como é este mercado:


 
Ora este ano, fui apresentada a nada mais, nada menos do que um...

Rodízio de pastel!!! Hahahaha

Mas desta vez fui mais inteligente:

- um de cada vez
- não repeti "sabores"
- pedi a opinião de quem já tinha provado e "saltei" alguns que não me pareceram muito apetecíveis.

Assim consegui provar todos e ainda sobrou espaço para um delicioso suco fresco de ananás. Ups! Abacaxi. E os pastéis do rodízio são, obviamente, em tamanho amostra. Ninguém seria capaz de comer pastéis full size num rodízio, isso vos garanto. Não é possível ir além de dois, a meu ver. Hahaha

Para além destes restaurantes, há ainda as praças de alimentação dos Shoppings, que têm alguns dos nossos velhos conhecidos, mas também outros totalmente diferentes. Brasileiro de Curitiba gosta muito de pastas com muito queijo, bifes de frango à milanesa (panados), tudo regado com rodelas de lima e refrigerante qb (o refrigerante no copo, claro). Fora isto há ainda a carrocinhas de cachorro quente, muito típicas de Curitiba mas que, pelos vistos, são uma espécie ameaçada de extinção. Há cada vez menos, apesar da qualidade. Experimentem um cachorro quente prensado para verem se não cabe uma infinidade de ingredientes. Cachorro é grande em
Curitiba, por causa da também significativa comunidade alemã. "Winas" (vinas ou salsichas) e chucrute, não são coisa rara e muito menos desprezada entre curitibanos comedores de carne. ;-)

Para já acho que me vou ficar por aqui, mas nos próximos posts sobre Curitiba, gostaria de vos falar nos parques e pontos culturais,
na organização urbana e projectos ecológicos, como a reciclagem de resíduos domésticos. Curitiba foi a cidade pioneira em todo o Brasil em matéria de recilagem! Isto já é mais uma reportagem completa sobre Curitiba, do que propriamente sobre a viagem ao Brasil. A minha vontade de vos contar sobre Curitiba já transbordou os limites de uma só viagem. ;-) E também gostava de partilhar convosco a descida para S. Paulo e para Santos, debaixo de chuva, e ainda uma viagem de carro a Bombinhas, Santa Catarina.
Espero não vos ter deixado demasiado aborrecidos com a extensa leitura! Obrigada por me lerem.
:-)

Linha Ferroviária de Cascais comemora hoje 125 anos!

A linha ferroviária de Cascais completa hoje uns respeitáveis 125 aninhos! Ao mesmo tempo, completam-se 650 ainda mais respeitáveis anos desde que Cascais foi elevada a vila.
Para comemorar, a Câmara Municipal de Cascais e a Fundação Museu Nacional Ferroviário juntam-se numa iniciativa rara sob a forma de uma viagem no comboio presidencial, recentemente restaurado. Trata-se de uma composição de época e que faz parte do património museológico da Fundação.

Durante o dia de hoje, é possível visitar esta composição nas duas principais estações da linha: Cascais e Cais-do-Sodré. Para mais informação, clicar aqui.

Só tenho pena que a CP resolva comemorar este aniversário agindo como tem vindo a agir até aqui: retirando carruagens de comboios em plena hora de ponta, quando não suprime o comboio inteiro (o mais "engraçado" é quando avisam: anunciam a alto e bom som "o comboio das 8:28 com direcção ao Cais do Sodré foi suprimido por falta de material. Pergunto-me como é que se perde um comboio. Ou se se pode chumbar por faltas de material na CP. :-P)...

Bom, para não azedar muito, deixo aqui um resumo da história da Linha e umas imagens bem nostálgicas e bonitas (sobretudo a primeira ;-) ), retiradas do mesmo link:




segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Conversas de criança #4:

- Mamã, mamã, qué pão...
- Pronto, está bem. Toma dois pedacinhos de pão.
- Dois pãos!
- Hum... Quando temos mais do que um pão, dizemos "pães".
-... Dois pães...
- Isso.
- Mamã, mamã, qué mais "pãe"!

Uf... Acho que desfiz aqui alguma coisa... Hahaha!

Desafio dos 30 dias - Exercícios de fitness para fazer em casa

Comecei há cerca de dois meses e meio uma mudança a nível de hábitos alimentares e de exercício físico que tenho levado bastante a sério.
Quando a motivação está em baixa, penso no objectivo final que quero atingir e costumo conseguir trazer à superfícia a energia que é necessária para vencer a inércia. Para levantar o rabo do sofá e arrastar-me para o ginásio às 19:30 da noite. Bem sei que a melhor altura do dia para treinar é de manhã. Mas já assim o despertador toca todos os dias às 6:00 depois há almoços para preparar, pequenos-almoços para comer, um pirralho pequeno para acordar, vestir e alimentar, levar à escola... E à noite também as rotinas do final do dia... Enfim, encaixa-se o exercício físico na agenda, onde der! Mas não se desiste! ;-)

Isto tudo para preparar o que vou dizer a seguir: confesso que por vezes a motivação interior não chega. E não apetece mesmo arrancar o corpo do sofá, quanto mais fazê-lo sair de casa. Há 6 dias atrás, comecei a seguir um programa complementar de exercícios em casa que constitui um desafio de 30 dias com 4 exercício simples, mas bastante completos. Até agora, não falhei um dia. E já falhei alguns treinos de ginásio. Mas faço por me "mexer" TODOS os dias, sem excepção. A chuva lá fora já não é desculpa para não querer percorrer os 100 metros que separam a minha casa do ginásio que frequento. Ou melhor, ainda é desculpa esfarrapada, mas não tenho é desculpa para não fazer nada de todo.

Aqui fica o desafio. Seguem-no comigo? ;-)


Fajãs da Ilha de São Jorge, Açores - Património Natural, Ambiental e Histórico da UNESCO?

Acabo de saber que a candidatura das magníficas e verdejantes fajãs da Ilha de São Jorge (grupo central do arquipélago dos Açores) à Rede da Biosfera da UNESCO (Reserva de Biosfera Mundial, portanto), reune todas as condições para se viabilizar! Quando pronta, será levada à consideração pelo Governo Regional dos Açores.

Fica aqui o artigo completo.

E deixo também aqui umas imagens para se deliciarem:







domingo, 28 de setembro de 2014

Feliz 80º Aniversário, Brigitte Bardot!

Não gosto de falar das estrelas de cinema clássico de uma forma exclusivamente póstuma.

E é por essa razão que vou aproveitar um artigo do Público para deixar aqui a minha homenagem a Brigitte Bardot. A "única estrela que o Cinema Francês teve", e que faz hoje 80 anos. Brigitte Bardot é conhecida por várias coisas: pelo seu enorme talento como actriz, pela sua beleza física, pelo seu temperamento nem sempre fácil, personalidade forte, pelas suas acções como activista pelos direitos dos animais. Hoje vive isolada no seu reduto em Saint Tropez e diz que não é feliz, mas também não é infeliz.

Digo eu que quem se preocupa com o mundo que o rodeia nunca pode ser completamente feliz. Mas podendo fazer (e fazendo) o possível para melhorar a vida dos outros, sempre se alivia um pouco o peso dos erros cometidos.

Parabéns, Brigitte.

( Retirada daqui )

sábado, 27 de setembro de 2014

Worth watching: Emma Watson at the HeForShe Campaign 2014 - Official UN Video

"Feminism is not a synonym of man-hating"
Feminism is just the fair battle for equality of rights among men and women. Feminism is, not limiting someone from progressing, evolving, growing and making their own choices, just because they can give birth to a child in the future. Feminism is about extending the priviledge of an equal education to all men ad women alike. Feminism is a movement that fights for the most basic human rights. For women. On behalf of those women who were not lucky enough to be brought up where everyone counts; who were not lucky enough to be brought up knowing they matter!



Go Emma. You've got a lot going for you.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Garage Sale!!

Já agora, uma vez que estamos numa de anúncios de promoções que poderão valer a pena, aqui fica o link para a Garage Sale com descontos até 90% OFF, do Clube Fashion, para quem gosta, quem é de Lisboa e quem venha cá passear neste próximo fim-de-semana (S. Pedro já avisou que vai estar optimo para actividades indoors, por isso parece-me adequado :-P )!

Só para abrir o apetite:


E não, este também não é um post patrocinado. Façam favor.
Só de notar que já ouvi bastantes comentários negativos relativamente a compras online pelo Clube Fashion, mas isto é como tudo. Há sempre qualquer grão de areia na engrenagem e alguma coisa acaba sempre por correr mal a alguém. De referir também que euzinha já lá fiz compras e nunca tive qualquer problema, bem pelo contrário. De qualquer forma, este Garage Sale é presencial, por isso o que é, está à vista e só se compra se se quiser. ;-)

Knock yourselves out! E tenham um excelente fim-de-semana!

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Promoção!! Sale!!!

E porque uma boa promoção é para ser partilhada, aqui fica o link para a promoção da Dama de Copas! E não, este post NÃO é patrocinado.


Parece-me sobretudo expecialmente direccionada para quem não gosta de ficar sem o conjunto a fazer pendant! ;-)
E porque o dia dos namorados é todos os dias... Why not? ;-)
Eu por mim, recomendo vivamente a loja, a qualidade do atendimento e as marcas que vendem. :-)

terça-feira, 23 de setembro de 2014

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Conto sobre o amor

Queria tudo.

Queria sentir tudo o que ele sentia, queria viver o que ele vivia, queria estar perto dele, absorver-lhe a pele, o suor, os orgasmos... Queria viver os sonhos que ambos confessavam um ao outro... Queria tudo: a companhia, a brandura, o abraço. Já não sabia viver sem isso. Já não sabia suportar a existência sem os frémitos, sem o calor, sem o fogo... Já não sabia viver sem a humidade entre as pernas que lhe escorria, só de ler “Amo-te tanto” numa  qualquer SMS surpresa, a meio de um dia de trabalho. Já não sabia viver sem o arrepio doce que o simples sorriso dele lhe provocava. Queria a sofreguidão dos lábios dele, a textura macia da pele do seu peito nu... Queria os gemidos de prazer e o fôlego por recuperar, após fazerem amor... Queria o passeio a dois e o refúgio do seu corpo. Queria adormecer aninhada nele, sonhar com ele a noite toda e acordar ao lado dele. Acariciar-lhe o rosto antes da foda matinal. A foda matinal: o café dos que se amam sem reservas... Queria essa vontade de se entregar totalmente, como só a ele oferecera. Tudo ou nada.

Era um amor excessivo. Sim.

Mas só sabia amá-lo assim. Amava-o como nunca antes amara ninguém. Amava-o como nunca antes amara. Nunca antes amara.

E à medida que se ia afogando nesse amor sôfrego, ia deixando de saber-se sem ele. Deixou de saber o sabor do seu prato favorito, deixou de saber que o sol se punha todos os dias. E que o sol nascia depois. Deixou de saber quantas cores tinha o arco-íris e o toque das gotas de chuva no rosto despreocupado. Deixou de saber o prazer dos fins de tarde solitários entre mantas e chocolate quente. Deixou de saber queixar-se. Deixou de saber o que era o orgulho estúpido, ou a procura incessante de validação alheia do que era tão seu. Deixou de saber esperar... Deixou de saber suportar a indefinição. Deixou de saber as pequenas e as grandes coisas do quotidiano celibatário. Ou de metades ocasionais a que tivera a ousadia de chamar “amor”.

O que sabia eu do amor, meu amor, antes de te querer a ti, todo, corpo e alma, só para mim?

E que sei eu agora do mundo à volta?

Longe dele não sabia mais nada. Longe do tão querido tudo que era ele, nada sabia.

domingo, 21 de setembro de 2014

Parece que os adoçantes artigiciais, afinal não são assim tão "light". Atenção.

Atenção ao consumo de adoçantes!


Segundo o "The Economist", um artigo publicado recentemente na revista científica Nature produz indicadores significativos de que o consumo de substitutos do açúcar pode, de forma indirecta, e contrariamente ao que se espera destas substâncias, favorecer a obesidade. Como? Afectando a comunidade de bactérias que habita no nosso intestino (tb conhecida como flora intestinal).
Os artigos do The Economist e da Nature estão em Inglês, mas vale bem a pena lê-los, para quem está à vontade com esta língua.

As publicações desfazem ainda o "mito urbano" de que estas substâncias substitutas do açúcar possam causar cancro. Este receio está ainda por provar.
A maior preocupação é mesmo o efeito adverso que podem ter quando inseridos nos hábitos alimentares de quem pretende perder ou manter o peso.
É por estas e por outras que desaconselho vivamente o consumo de produtos light à base de edulcorates e outros adoçantes artificiais. Light, só mesmo quando isso significa menor percentagem de gordura (por exemplo em lacticínios e seus derivados).

Aqui fica um link para o artigo do The Economist.

Passeios de fim-de-semana

Enquanto o tempo o permite, onde se está bem é na rua!


:-)

sábado, 20 de setembro de 2014

Love in the time of Cholera by Gabriel García Marquez

"- How would you define love?
- Love?... Love is everything we do naked!"

And not only. But isn't this definition adorable? :-D

A melhor sensação do mundo (admito que poderá haver aqui algum exagero)

Acontece quando se recebe uma mensagem assim, na nossa inbox:


"Dear Joana
Thank you for your email.
I can confirm that we have refunded your customs charge to your original payment method
Your refund should appear in the next 2-3 days
Kind regards
Jessica
CustomerServicesAdvisor"
 
Isto sim, isto é uma relação comercial e um departamento de marketing com categoria! Compra-se uma coisa numa loja online europeia, mas que não está dentro da União Europeia em termos de impostos. Recebe-se a encomenda com o belo do recibo das taxas alfandegárias. Mixed feelings... 
Escreve-se um email ao Departamento de Apoio ao Cliente a perguntar se não têm outro endereço que esteja dentro da zona tax free. Respondem a dizer que infelizmente não, mas que como cortesia têm por hábito ressarcir o cliente pelo transtorno causado, devolvendo as despesas alfandegárias até, no máximo, no valor total da encomenda... Pediram-me para enviar o recibo da Alfândega/CTT digitalizado e um dia depois respndiam de novo com a mensagem transcrita acima...

Holy s**t (pardon my "French"...)! Nunca mais largo esta loja! :-D E não: mais uma vez, este não é um post patrocinado. Simplesmente, o que é bom, é para ser partilhado. Mais ou menos como o Linux. :-P



(Aqui)

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Pura lógica


Vi esta fotografia no Google+ do conhecido 9GAG e tive que a partilhar.

Achei piada! E até tive aquele momento parvo de dar por mim a rir para o monitor (qualquer dia ele acha que eu me estou a atirar a ele, com tantos sorrisos e gargalhadas que lhe ofereço...). É a mais pura das verdades, o que está escrito ali, vendo pelo lado estritamente lógico.

Mas porque as coisas nunca são assim tão lineares:

eu creio que é tudo uma questão de expectativas.

E se algum homem deseja despertar numa mulher as mesmas expectativas que um gato desperta...

Enfim, só tenho uma coisa a dizer: para isso temos o gato. :-P

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

"Very Inspiring Blogger Award"

Ora bem:

Aqui na blogosfera, as coisas são muito diferentes de uma rede social. Aqui não há aquela quase obrigatoriedade de preencher um perfil detalhado sobre nós próprios. Não há facilidades nesse sentido. Não há aqueles formulários todos prontinhos, com perguntas rápidas, fáceis de responder. Aqui não há a papinha feita. A não ser que associemos o nosso blog ao perfil do Google+, no caso dos utilizadores do Blogger, ficamos assim, com um perfil mais "abstracto".

Mas a verdade é que começamos a visitar blogues, vamos saltitando de blog em blog, através dos comentários dos outros visitantes e frequentadores e vamos construindo uma rede de interesses comuns tão interessante como um Facebook ou um Google+ da vida. :-)

A grande diferença é que a potencialidade de conhecer pessoas novas é ainda maior através de um blog. Porque em geral, sobretudo no Facebook, tendemos a adicionar pessoas que já conhecemos e com quem já contactámos de alguma forma. Num blog, o potencial de recebermos visitas não relacionadas connosco, a não ser talvez, apenas ligadas por interesses e pontos de vista comuns, é infinito! Gosto disso.

Fui desafiada pela Sorridente e pela Cláudia para responder a um desafio, e ainda me deram um prémio! ;-) Obrigada, lindas. :-) Estes gestos tornam a blogosfera num lugar mais intimista. E eu gosto tanto de ambientes personalizados e intimistas.. :-)

Ora, as regras do desafio são:

- Agradecer e colocar o link da pessoa que te nomeou 
- Colocar as regras e o prémio 
- Partilhar sete factos sobre ti
- Nomear quinze blogs inspiradores e comentar nos seus posts para eles saberem que foram nomeados
- Podes pôr, opcionalmente, o logo do prémio e segue o blog que te nomeou.



 E sete factos aleatórios sobre mim:

 - Adoro cavalos (desenho cavalos, montei muitos anos a cavalo, gosto de contemplar cavalos... E é daquelas coisas que não se explica. É mais ou menos como o amor. Não se explica. Não se ama alguém porque isto ou porque aquilo. Ama-se alguém apesar disto ou daquilo. E eu gosto de cavalos apesar de tudo).

- Gosto muito de escrever

- Gosto muito de conhecer pessoas novas e de fazer "networking". É um processo lento, e que demora a dar frutos, mas conhece-se pessoas muito interessantes e fazem-se contactos produtivos expandindo a nossa rede interpessoal.

- Não gosto de sair da minha zona de conforto por sistema, mas de vez em quando preciso mesmo de o fazer. Porque é fora da zona de conforto que estão as mudanças que impulsionam a vida. Nessas alturas em que saio da minha zona de conforto, fico em pânico, mas no fim de alguma concretização fico eufórica. É uma espécie de rush de adrenalina... haha

- Gosto de uma conversa pertinente, que se prolonga e renova sozinha. E em que os intervenientes vão entusiasticamente trocando argumentos até se aperceberem que já passou sobejamente da hora e é preciso ir fazer outra coisa qualquer. ;-)

- Gosto de ler blogues e adoro quando os posts me suscitam a vontade de fazer algum comentário. E comento. E adoro comentar. :-) Só comento quando acho pertinente fazê-lo. Não gosto de "pescar" visitantes com comentários. Gosto que as pessoas sejam espontâneas e genuinas. Gosto quando escrevem para si e não para os outros (ou pelo menos, não prioritariamente para os outros. Noto logo quando estão a escrever para os outros. E isso irrita-me).

- Last but not least: gosto quando o meu blog é visitado, e adoro quando há comentários pertinentes. Adoro a confiança e à-vontade que se vai estabelecendo entre autores de blogs com maiores afinidades. Gosto quando os autores dos blogs têm a amabilidade de responder aos comentários. Faz-me sentir que a minha "posta de pescada" foi lida e suscitou um feedback. Sou doida por comunicar, portanto. E a comunicação é uma estrada com dois sentidos. :-P

E é isto.

Faz parte das regras indicar mais 15 blogues... Hum... Eu até posso indicar alguns, mas só porque são os que sigo mais frequentemente. Nem sei se chegam a 15! Alguns dos autores já estão fartinhos de responder a este desafio e já até há os que responderam mais do que uma vez. Mas mesmo que só fique aqui a menção, já é útil, por são as minhas recomendações! :-D Gosto de dar a conhecer coisas boas! Não espero que respondam ao desafio, fiquem descansados. ;-)

- Sofia Margarida
- Homem sem blog (mas que tem um blog que me prende)
- Eduardo
- Jael (gosto das dicas e comparações que dá e faz)
- Lara (só faz reviews dos produtos que usa e gosta. Gosto das dicas que dá e da filosofia base por trás do que escreve. É uma miuda com garra)
- Diana (gosto sempre de seguir quem se aventura por outras paragens. E a Diana fá-lo de forma cativante)
- José Cabral (Street fotography, o "Grande" Alfaiate Lisboeta)
- Food and Emotions (as fotografias - e as receitas! - deste blogue mexem muito comigo. Fico cheia de fome! ;-) )
- Joana (a minha homónima! Gosto do humor irónico, quase a roçar o sarcástico, e a forma genuina como escreve)
- Ricardo Porto (mais street photography. Este blog é dedicado ao Porto)
- Sérgio Veloso (quando descobri este blog, achei que me saíu a sorte grande!! É uma abordagem científica às rotinas alimentares dos desportistas e não só. Muito interessante e útil!)
- Sandra (a Sandra escreve de Curitiba, PR, Brasil e é professora de História. Tem uma visão muito crítica sobre todos os assuntos que aborda. É também delicioso ter pontos de vista culturais de diversas partes do mundo!)

Sigo muitos outros blogues, mas desta vez não vou apontar mais. Fico-me por aqui. Não consigo seleccionar mais. Pode ser do cansaço de um dia intenso. Mas pode ser outra coisa qualquer. Certamente não é desrespeito por quem não foi aqui mencionado. E muito menos, falta de valor! É só porque não podem constar aqui todos os 435 blogues e sites que sigo. ;-)
Gosto muito deste cantinho.
Obrigada pela vossa presença e pelas partilhas! :-)

Travelling

Ooooh...
It's so good to just sit back, relax and feast your eyes on this.
Just forget about everything else and travel the streets of the world without leaving the comfort of your couch...
And dream of different people, different experiences, different places, a different you.
Just for a moment or two.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Oh, se a música às vezes nos inspira! (mal ou bem... lol)

Ressoam pelo ar as palavras soltas da introdução de "As putas dançam slows". Os acordes da música parecem flutuar à sua volta.

"É pá, adoro esta música... Caramba, a puta da vida é tão irónica..."

Caíra desamparada no chão. Começava agora a sentir o cabelo ensopado. Era do líquido que escorria do alto da sua cabeça, primeiro aos borbotões e agora já lentamente, levando consigo a consciência. Seria sangue? Já não tinha certeza.

"Merda. Acabei de lavar o cabelo!" O sabor ferruginoso do fio espesso que lhe escorrera pela fronte, lento, confirma o sangue.

A melancolia da música subitamente invade o quarto, mas as palavras soam agora difusas.

Quase ininteligíveis. Sabe aquela letra de cor, mas não consegue reconstitui-la. Manuela pressente que não lhe resta muito tempo. Sabe que vai morrer. Já não sente as mãos nem os pés. O seu braço esquerdo começa a formigar e sente-se entorpecida.

"Sempre pensei que a morte doesse mais"

O autor do seu desfecho já não está ali.
O silenciador garantiu a discrição de que ele precisava para realizar o seu serviço sem incómodos. Ninguém ouvira o estalido do mecanismo infernal.

Apenas o cheiro a pólvora queimada lhe faz companhia.

Curioso. Sempre desejara morrer sozinha. Aterrorizava-a a ideia de um ajuntamento de mirones criticando o traje, o modo, a vida.

Manuela não acreditava no amor das novelas, dos filmes, dos livros. Era isso que lhe permitia ser puta, excelente profissional. Nunca esperava nada do cliente, a não ser a remuneração garantida pela satisfação. “Amando quem a queria amar” sempre a pronto pagamento, dinheiro à vista. Nada de promessas. Nada de expectativas. Amor de aluguer.

Foi o amor em que não acreditava que lhe colocou o ponto final na vida. Quem lhe alugava o corpo, comprava-lhe momentos e queria levar-lhe a alma pelo preço mais baixo. Há quem não saiba ouvir um não.

"Fiquem-me com os ossos e a casca, seus porcos! O resto, levo eu"

Recorda ainda os últimos minutos: o ligar da aparelhagem, o duche, a campainha, o pressentimento estranho, o embrulho no estômago. Vê as suas próprias mãos a abrir o trinco e a puxar a porta para si. Sente novamente o calafrio ao olhar para aquele rosto frio e imperscrutável, a certeza brutal da morte próxima.

Sente o alívio.

O último suspiro chega com um arroto, enquanto as últimas gotas de sangue lhe abandonam o corpo inerte.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Meteorologia

Pronto.
Hoje é oficialmente o dia do "Toró"...
Mas não se preocupem. Na 5ª feira já há promessa de mais. Se bem que não é unânime em todos os sites de previsões meteorológicas.
Ainda assim, desejo-vos muita criatividade na escolha do "outfit" porque com este calor, estas ventanias e estas cargas de água, é um desafio tremendo escolher roupa para sair de casa. Acho que vou optar pelo escafandro. Ou o fato-de-banho! Porque não há guarda-chuva que aguente isto.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Sobre a escolha do soutien adequado

Olás!

Hoje a conversa é sobre soutiens.
Ah pois é!
Há uns anos, estava eu a precisar de mudar de soutiens, quando encontrei por acaso uma empresa pioneira em Portugal: a Dama de Copas (e não, este não é um post patrocinado).
A Dama de Copas, nada mais é do que uma empresa de consultoria de lingerie. Por muito estranha que possa parecer, esta associação (consultoria + lingerie, sobretudo soutiens), é extremamente pertinente e muito eficiente.

Há uns dias, depois de ter lido um post sobre o facto de uma grande percentagem de mulheres não saber escolher um soutien adequado (aqui neste blog tão simpático e interessante, mas agora não estou a conseguir encontrar o tal post), voltou ao de cima a vontade de discutir este assunto aqui.

Nos comentários do post acima referido, dizia-se que a falta de informação era a maior causa deste fenómeno interessante. Por outro lado, o facto de as marcas mais corriqueiras de lingerie, e a que maior número de mulheres tem acesso (Intimissimi, Triumph, Victoria's Secret, Woman's Secret, etc. etc.) têm numerações standard que não prevêm, por exemplo, que uma mulher larga de tronco tenha seios pequenos ou que uma mulher de tronco estreito, tenha seios volumosos (pergunto-me onde irá a Sofia Vergara comprar os soutiens dela, mas certamente terá uma "Dama de Copas" personalizada e acesso a outras marcas. Ora, há por aí marcas menos "badaladas" mas que têm uma numeração bem mais realista relativamente à diversidade de tamanhos e medidas de todas as mulheres por esse mundo fora. Alguns exemplos dessas marcas são: Panache, Fantasie, Freya, Curvy Kate, etc. etc. O Google dá uma ajudinha nas pesquisas, e há também, por exemplo, lojas online como a Figleaves.

Dizia eu: há realmente marcas que fazem uma homenagem muito bem almofadada, florida, sensual e devida às curvas femininas e ao mesmo tempo dão a devida importância ao aspecto funcional de um soutien. Juntam o agradável, fazendo soutiens bonitos e sensuais, que funcionam não só do ponto de vista estético, como do ponto de vista mais importante: o de fornecer suporte ao seio e à sua pele frágil. Sustentam os mais pesadões dando-lhes forma e suporte, e realçam os mais miudinhos, favorecendo-os com cortes estudados.

(Imagem de uma campanha da marca Panache, retirada daqui)


Um soutien tem que estar bem ajustado em torno do tronco. Não deve conseguir vestir-se apertando-se primeiro à frente e depois rodando. Se conseguirem fazer isso, o soutien é manifestamente desadequado. A tira que envolve o tronco não deve ficar subida. Deve ficar bem ajustada e ao mesmo nível da base dos seios. Depois de apertada, deve ajustar-se o seio dentro da copa e não deve dar o aspecto (nem a sensação) de que o seio está a querer fugir por todos os lados! Se isto se verificar, a copa é demasiado pequena. O contrário, se a copa ficar larga, é manifestamente grande e não cumpre a sua função de suporte. Estes e outros conceitos devem ser tidos em conta na hora de escolher o soutien adequado.

Por outro lado há também que saber escolher e combinar o tipo de corte e cor do soutien com a roupa que se está a usar. Essa e outras questões estão discutidas em alguns artigos do site da Dama de Copas.

Conselho: não se aventurem a comprar soutiens online sem antes irem a uma loja de consultoria de lingerie, para ficarem a conhecer o tamanho adequado e o comportamento dos soutiens das várias marcas disponíveis no vosso corpo. :-) Não é um serviço barato, mas vale muito, muito a pena!

Edit (16 de Setembro de 2014): nem de propósito. Parece que a Triumph acaba de lançar uma campanha virada para as "mulheres reais" e que pretende indicar alguma preocupação por parte da marca com os formatos e dimensões mais realistas e mais adequados às mulheres que não fazem parte da categoria "passerelle" (que são a esmagadora maioria). Pelo menos, até à data. Se bem que esta campanha não é necessariamente sinal de que os tamanhos foram realmente ajustados à realidade, veremos se daqui para a frente iremos encontrar esse esforço por parte da marca nas prateleiras das lojas. Ficarei atenta. :-)  

Factos de um dia-a-dia de treino

Ele há dias em que uma aula de ioga nos deixa mais a sentir  como se tivéssemos sido passados a ferro por um comboio, do que um treino intensivo de musculação. :-P

Pronto, era só isto. Já podem continuar o que estavam a fazer, eu estou só de passagem. Não me liguem muito. ;-)

domingo, 14 de setembro de 2014

When luxury brands enter the "wearables" world.

Hum...

It seems luxury watch makers are interested in entering the "smartwatch" race along with the main smartphone manufacturers (such as Apple, Samsung, Motorola and so on).

So Tag Heuer is the first renowned luxury watch brand to be heard of taking that plunge... You can read about it further, here.
Is it just me or does this sound like as if suddenly Ferrari decided to start manufacturing SUVs...?

I really hope Tag Heuer comes up with something really innovative, because if they are as creative as the latest Apple launches, well... It's going to be somewhat of a disappointment...

(Picture taken from here. Now, isn't it a classic beauty?)

sábado, 13 de setembro de 2014

And what do we do on a rainy afternoon?

We color drawings!



Não é, Sofia? ;-)

Conversas de criança: algumas palavras

Segundo o L., as embalagens de detergente líquido são "Xarras" (devem, para ele, ser parecidas com jarras), as "gafafas" deviam todas ter tampinhas de enroscar colorida (azuis, brancas, encarnadas...) e os meus decotes são (vá-se lá entender esta juventude) bolsos (assim mesmo, dito por ele, enquanto tenta enfiar dois ou três carrinhos no meu "bolso"...

A primeira palavra do universo consumista que ele aprendeu a dizer (ontem) foi: "xópim! Xantá, xópim!" (Shopping! Vamos jantar ao Shopping!"

Já agora, a primeira palavra dita por ele, de todas as palavras, não foi nem mãe, nem pai. Foi nada mais nada menos do que "batata!". E os papás, os dois: "Ele disse "batata"??? Oooooooh! Tão fofooooooo!"... Tsc... Tsc... Típico... Isto, enquanto estávamos os 3 à mesa, a jantar, e o papá e a mamã a tentar fazer uma lista de mercearias para comprar. Tinha o puto uns 9-10 meses, salvo erro. Agora já é um marmanjo de 27 meses.


;-)

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Conto sobre a paixão

O semáforo estava vermelho.
Nunca gostara muito de estar parado na primeira posição. Sempre tivera receio de se distrair e de, consequentemente, ser repreendido pelas buzinadelas irritadas dos condutores de trás.
Noutras circunstâncias permaneceria de pescoço esticado, nunca perdendo o semáforo de vista até que este voltasse a ficar verde.
Hoje era diferente. Tinha acabado de a deixar na paragem de autocarro. Essa mulher apaixonada, inteligente, meiga e inesperada que generosamente acabara de lhe oferecer uma centelha de vida dentro da vida.
Começava agora a perder-se em memórias quase sensoriais dos momentos que partilharam juntos nessa tarde: os seios de veludo, por baixo da roupa, a mão dela, quente, pousada sobre a sua, os lábios intensos e ávidos, a língua ágil, o toque suave, mas tão intenso, marcado a fogo na pele, o espaço exíguo do carro e a proximidade reconfortante dos corpos...
Apesar da clandestinidade do encontro, fora capaz de se abstrair de tudo. E isso deixava-o surpreendido consigo mesmo. E com ela. E com a forma como lhe demonstrou que a falta de paixão é fatal. Descobriu que afinal morria todos os dias. Em vez de viver.
Nunca duas horas duraram tanto tempo. E nunca duas horas foram tão curtas...
Lera algures que a rotina é uma coisa boa, se for bem vivida. Nunca gostara de citações perdidas e descontextualizadas, em geral enquandradas numa imagem de mau gosto e a tresandar a auto-ajuda. Mas passavam-lhe em frente dos olhos sem que as pudesse evitar e ficavam-lhe no subconsciente... De vez em quando vinham à superfície. Como hoje.
Hoje era diferente. Hoje absorvera por completo o sentido de uma rotina feliz na companhia daquela mulher com quem sonhava todos os dias. Aquela mulher que finalmente se materializara no seu carro, nas suas mãos, na sua boca, na sua pele, na sua alma...
Sentia-se aturdido pelo turbilhão de sentimentos e conflitos em que de repente se encontrava mergulhado. Mas por alguma razão estranha, tudo lhe parecia certo. Um sentimento inexplicável de felicidade invadira-o. E a serenidade acabou por se sobrepôr a tudo o resto.
Uma buzina trouxe-o de volta ao semáforo, que se tornara verde.
Com um sorriso descontraído levantou a mão direita, pedindo desculpa ao condutor de trás. Hoje era diferente. Enquanto metia a primeira, teve a única certeza férrea de que se lembrava dos últimos tempos: era o primeiro semáforo vermelho que não lhe deixava o pescoço dorido.

(imagem retirada daqui)

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Ode to Street Photography

Oh man!

If there is one thing I love, that's street photography.

I mean, I haven't always been in love with street photography. I guess I've been more exposed to it ever since I dropped off of friggin' Facebook and started looking into blogs and Google+.
And I really love the way street photographers capture people's expressions, outfits, details. And the way many of them tell a story, to go along the picture. And you really bond! You really connect with the photographer, with the people in the photography... You fall in love with places, you want to go back to those places and capture yourself all the life there is to be seen and lived in that same context. Or different contexts! Same place, different contexts. Yes. You fall in love with places you thought you hated. And you damaged, skewed view of a place, that you got on a trip that didn't go so well, becomes fixed. You become healed, and you want so bad to give that place a second chance, and just go back and enjoy it.
And I won't even get started on how you do wonders for fashion! For the diverse and good part of it! For the cultures of the World!
Damn!
People who can open your mind and heart like that just by taking a photograph of a moment in time are real geniuses!
Thank you guys!
You are a blessing to this world. :-)
I wish I could do magic like that. But I'm content by just looking at your works of art!

Modas e tendências: uma reflexão/protesto

Dos meus passeios sem destino aqui pela blogosfera, por vezes resultam reflexões que não consigo deixar de partilhar aqui.

Ora andava eu a passear por um desses muitos "blogs de moda" que se espalham por aí fora (incluindo este, que por vezes toca esses temas), e vi um post sobre as tendências relativamente às paletas de cores para este Outono de 2014, que já espreita (é, né? O Verão mal pôs cá os pés e o Outono, esse, pontualíssimo. Não tenhas tanta pressa, rapaz!).

Ora, parece que os "nudes" abundarão. Não me chateia nada. Primeiro, porque não sigo a moda de forma cega. Se me agrada, fico com ela. Se não, faço a minha. :-P Mas sim, os nudes: são cores neutras, "pastel", cores de terra, tons quentes, outonais, esbatidos.

Alguém comentou algo nestas linhas: "parece que vamos ter que dizer adeus às cores do verão...", num tom meio desolado a julgar pelo smiley bem descontente no final da frase.

Agora pergunto eu: mas vamos ter que dizer adeus, o quê? Alguém nos obriga a esquecer as cores vivas? Os vermelhos Ferrari, os vermelhos sanguíneos e os cyan, os laranjas, os amarelos, os castanhos, os rosa mais vivos, os verdes, os azuis cobalto, os azuis petróleo... Não é preciso dizer adeus a nada. Apenas há que ser criativo e usar o que se gosta.

Há dias li algo que na altura me deixou um pouco "enfezada", mas agora, depois de amadurecer a opinião, já consigo aceitar. A frase dizia algo nestas linhas: "nem todos nascemos com estilo". Na altura fiquei logo toda "eriçada". Mas agora entendo melhor o que se pretendia: nem todos "sabem" usar unhas cor-de-laranja, ou malas "Louis Vuitton", ou ainda aqueles portentosos "Louboutins" de sola inconfundivelmente vermelha (ai, que maravilhosos, alguns modelos... hehehe), reconheço isso. Mas mais, muito mais do que isso: cada um nasce com o seu próprio estilo. E isso, minhas queridas e meus queridos, é o que faz do mundo um lugar mais apetecível: a diversidade e a criatividade. :-)

Visão maravilhosa retirada da internet ;-)
 
Uma tendência não é mais do que isso mesmo: uma tendência. Uma guideline. Vou mais longe: uma sugestão. A partir daí há um mundo de atrevimentos à espera de acontecer! hehe

E com esta vos deixo em paz, até ao próximo post. ;-)

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Nhac!


Ele há dias em que só se fala de comida...
Só falta embrulhar e trincar. :-D

De ingredientes só tem mesmo o que está à vista:

1 tortilla de milho
folhas de salada asiática qb
1 queijo fresco magro
1 fatia de salmão fumado
pimenta qb
(molho de iogurte - ou outro molho qualquer do vosso agrado - opcional)

Bom apetite e boa noite!

Pequeno-almoço novidade (para mim)

Bem sei que são horas de almoçar, mas a verdade é que apesar de esta fotografia se parecer com um almoço, foi o pequeno-almoço de hoje:


Hoje resolvemos experimentar as célebres claras de ovo sem gemas. Só mesmo as claras. E não, não nos démos ao trabalho de separar os ovos das claras.
Descobri recentemente que se vende pacotes de claras de ovo pasteurizadas nas lojas de comida macrobiótica (tipo o Celeiro, por exemplo). E porque não somos meninos para nos ficarmos por uma novidade só, as claras foram cozinhadas (como se trata um ovo mexido, normalíssimo) com óleo de Côco (à venda no mesmo tipo de loja).
Diz que o óleo de côco aguenta bem altas temperaturas sem saturar, o que o torna uma gordura mais saudável, na cozinha.

O intuito de comer só claras, prende-se com a necessidade de consumo de proteínas, sem ter que ingerir a quantidade de gorduras que a gema apresenta. Claro, de vez em quando pode adicionar-se um ovo inteiro ao resto das claras. Aliás, pelo menos, duas vezes por semana. Aqui as opniões divergem tanto que cada um adopta a sua corrente conforme achar melhor.

Esquisitices dietéticas à parte (não estamos a fazer nenhuma dieta especial, apenas a ter cuidado com o que comemos), esta é uma refeição que acaba por ser saborosa (contrariamente às minhas expectativas iniciais, bem baixinhas), e com um ligeiríssimo toque exótico, dado pelo côco. A sério: o aroma é muito ligeiro e dá um saborzinho agradável às claras que, de outra forma, sabem a claras de ovo, perfeitamente normais. Lembrei-me agora que, se pretenderem fazer um "molotov", esta ideia dos pacotes de claras pode ser bem prática. :-)

Adicionando uma ou duas fatiazinhas de um fiambre qualquer de aves, um cafézinho (sem açúcar!) e uma peça de fruta, ficam com um pequeno-almoço à maneira! Eu tb adicionei umas pinguinhas de leite, pq não consigo beber café sozinho à primeira refeição da manhã - quase em jejum (estômago temperamental é assim).

A ideia, seguindo a "dieta" à risca, seria reduzir drasticamente o consumo de hidratos de carbono logo de manhã, por questões de metabolismo e gestão de reservas de glicogénio por parte do fígado.

E pronto. Fica a experiência contada. ;-)

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

sábado, 6 de setembro de 2014

Aguarela

O caminho ainda é longo.
Mas vai-se fazendo.
Não é complicado.
Só requer força de vontade.
E um sorriso nos lábios, quando a roupa volta a servir!
:-)

Há algum tempo atrás fiz um... Hum... Como é que se chama... Decluttering?
Nessa altura ainda não me tinha lançado neste caminho de regressar à minha forma física ideal, mas por alguma razão deixei ficar os vestidos e outra roupa de que sempre gostara e que deixara de me servir. Um deles, é este:

Um pouco de Photoshop, sim, mas só para "limpar" um pouco o fundo. Garanto que não me "retoquei" a mim (auto-retrato tirado com um telemovel desses "espertos", e propositadamente desfocada). :-P

Não me tinha ainda lançado no desafio, mas talvez tenha sido um início. A verdade é que esta revolução que está a acontecer aqui deste lado, se deve mais a questões de preservação de saúde (mental e física) do que aos aspectos estéticos propriamente ditos.

MAS...!!

Claro que adoro a evolução positiva dos aspectos estéticos. Até a pele anda mais macia e elástica. Saudável. Até os cabelos se fortaleceram, até ando menos cansada e a resistência aumentou muito! A ponto de já me aventurar a correr um sprint quando o comboio está a parar na estação. hehe Tudo isto só está a ter impactos positivos na minha vida e se ainda vem com o bónus do esteticamente aprazível, claro, tanto melhor!

Voltando ao início, o caminho ainda é longo. Mas também é bom que não acabe já!
Vai-se fazendo com um sorriso nos lábios e uma pintura de Verão no corpo (por falar nisso, acho que estou a precisar de um auto-bronzeador para as pernas, porque com o tempinho que se avizinha, ainda é o que me vale... :-P).

Ah! Deixo-vos com um ponto de vista interessante a propósito do tema "decluttering". :-D


quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Avó

Lembras-te daquelas conversas ao telefone?
Eu lembro-me.
Tu contavas piadas espirituosas, eu ria-me...
Riamos as duas.
Trocávamos novidades das respectivas vidas.
Tu lá, eu cá.
Entre nós um oceano, mas na verdade, nada.
Nunca foste uma avó "à moda antiga".
Sabias acompanhar.
Tinhas um espirito jovem e sempre animado.
É para a frente que se anda, na vida.
Recordo-te assim.
Os momentos raros mas tão preenchidos, a generosidade,
O optimismo.
Só recordo de ti coisas boas. :-)
Só isso me aquece o coração neste momento.
Mas a vida é um caminho que só tem uma direcção.
E no fim, está uma mudança drástica.
Vives cá dentro.
No meu coração. :-)
E sorrirei sempre que me lembrar de ti. :-)
Um grande beijo para ti, avó.
Sempre longe, mas sempre tão perto.
Descansa agora.
E sorri, porque a família está toda de boa saúde,
Estamos todos bem encaminhados e o teu legado será preservado.
Sempre.

E porque eras uma mulher que gostava de rir (desculpa a publicidade), e não eras muito dada a sentimentalismos desnecessários:

Campanha de reflorestação de área ardida em Portugal

E depois de ter falado de roupa, não posso deixar de partilhar convosco uma iniciativa CTT-Quercus para ajudar a reflorestar o território português após mais uma época de incêndios!
 
Ver a notícia da campanha aqui

As áreas escolhidas para a reflorestação são as que foram afectadas pelos incêndios deste ano, e as espécies plantadas serão todas autoctones (pertencentes à flora Natural de Portugal, ou seja, não são espécies introduzidas de outros países/territórios). Para saber detalhes sobre esta campanha, basta clicar na legenda da fotografia acima! Bora lá ajudar a reflorestar Portugal? :-)

De notar com regozijo que este ano (2014) a área total ardida em território português foi cerca de 87% menor do que a média registada na última década, com o mês Agosto a registar o maior número de incêndios de 2014 (ver a notícia na totalidade aqui).

Na rúbrica: "hoje é isto"

O look de hoje:


Comprei este vestido na LaRedoute há umas semanas. Gosto dele. É confortável e tem um bom corte. Favorece a silhueta e parece saído de um filme dos Sixties (LOL). É diferente e assenta bem. É elegante. O tecido é um pouco rígido, o que exige algum cuidado ao estendê-lo a secar (LOL sim, aqui até se dão dicas para estender roupa hahaha). O melhor é não usar molas e deixá-lo a secar dentro de casa, caso haja essa possibilidade, ou então pendurá-lo pela cintura. Como tem pregas e bastante tecido na parte da saia, os vincos deixados pelas molas ficam mais disfarçados. Este tecido tem elastano e por isso não pode ser passado a ferro a temperaturas muito elevadas. Isso dificulta bastante o disfarçar dos vincos das molas com o ferro. Mesmo que se humedeça bem o local. Ah! Passar a ferro do avesso!
Bom, relativamente à cor, trata-se de um preto um pouco "brilhante". Isso torna-o mais vulnerável a manchas (cuidado ao lavar, não colocar detergente a mais na máquina, se não, o vestido fica manchado :-P ).

Uma vez estes cuidados observados, é um excelente vestido para um look profissional mais informal, mas ainda assim, elegante. Tem bolsos! Que é uma coisa que eu adoro! É um vestido muito bem esgalhado, definitivamente! hehehe


Mais uma vez, trouxe as minhas Melissinhas rasteirinhas de estimação. hehe
Estes sapatos conferem ao look a tal "informalidade" elegante. Se combinarem um vestido destes com uns saltos altos (tipo uns black pumps clássicos, por exemplo), já transformam o look numa coisa mais formalmente descontraída. haha

Enfim, depende dos gostos de cada um. O que é certo é que este vestido é muito versátil (se não pensarmos muito nos cuidados que exige em termos de manutenção, mas como se pode lavar na máquina até nem é tão mau assim), e aguenta bem vários tipos de sapatos e acessórios, dependendo do cunho que se quer dar ao look. Já dizia alguém do mundo da moda "com um vestido preto, nunca me comprometo" (mas também é em vermelho coral). hehe ;-)

Pronto, chega de disparates por hoje.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Conversas de criança: NÃO!

- L., queres sopa?
- Não!
- Carne e arroz?
- Não!
- Queres legumes?
- Não!
- Queres ir passear?
- ...

Caramba, tão pequeno e já sabe fazer guerrilha de argumentos... Não disse "sim", mas também mostrou que não estava a dizer que "não" à toa...
Escusado será dizer que acabou por comer tudo (e um belíssimo pêssego! Que também gerou uma bela história para vos contar hahaha). E depois foi passear para a sala, brincar. Nós aprendemos a dar-lhes a volta. No caso deste pirralho, e no que toca as refeições, é só não insistir e começar a comer. Ele quer logo comer também. hahaha

Temos que convir que se não fossem estas "guerrilhas", não tinha tanta piada ter um filhote de 27 meses... hahahahaha

Compras Online

Aviso para todos aqueles que têm o hábito de fazer compras online, fora de Portugal:

03. Quais os territórios pertencentes à U. E., que no entanto em termos fiscais (IVA) são considerados Extra-Comunitários estando sujeitos a Controlo Aduaneiro?
Alemanha (Buesingen), Espanha (Canárias, Territórios de Ceuta e Melilla, Andorra), França (Martinique, Guiana Francesa, Ilha da Reunião e Guadalupe), Grécia (Month Athos), Itália (San Marino e Vaticano), Reino Unido (Guernsey, Jersey, Ilha de Mann e Gibraltar).
(Excerto daqui)

 





Muita atenção à origem das vossas encomendas, pois mesmo que o país de origem pertença à UE, pode haver territórios pertencentes a esses países que são considerados extra-comunitários para efeitos de IVA e Taxas Alfandegárias.

Fica a dica! ;-)

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Não deixes para amanhã o que queres fazer hoje.

Sabem aquelas chamadas telefónicas que andamos constantemente a adiar?
Achamos que o tempo estica. E tomamos a vida como garantida.
Até que essa chamada fica indefinidamente adiada por motivo de força maior. Porque afinal a vida não é infinita, não é esse couraçado a toda a prova como estamos habituados a encará-la (sobretudo a dos que nos são queridos. Esses são intocáveis e nunca nada lhes pode acontecer).
E um dia, alguém que está longe não acorda completa, como normalmente. É um meio acordar. E depois a informação que chega é também em metades. E queremos saber tudo e ficamos sem saber o suficiente.

Mas o pior, é o sabor amargo daquela chamada telefónica que andávamos há tanto tempo a adiar. Por isto e por aquilo... E agora, por motivo de força maior. Por verdadeiro impedimento.

Sabem aquela chamada telefónica que andam a adiar? Façam-na. Agora. Porque depois, pode ser tarde demais. Ou, no mínimo, pode ter que ser irremediavelmente adiada.

_______________________________________________________

You know those phone calls you've been repeatedly postponing?
We like to think that time is like an elastic. E we take life for granted.
Until that particular phone call gets postponed for an undefined amount of time, forcefully so. Because after all, life is not endless. Life isn't ironclad as we insist on assuming it is (specially the lives of those who are most dear to us and whom nothing can harm).
And one day, someone who is far away does not wake up their own old self. It's like they are only half awake. And then, the information that you can get is also half of all there is to know. And you want to know more and are not satisfied with the little information you can get. And you feel frustrated because of the distance, because of the time zone differences and because there's little you can do besides waiting.

But the worst part is the bitter flavour of that phone call you've been postponing for so long. Because of this and that... And now, the postponing is mandatory. By reasons that are beyond your control.

You know that phone call you've been postponing lately? Just make it. Now. Because later, may be too late. Or, at least, for a long time.

Quando os obstáculos são estritamente psicológicos:

Esta imagem dispensa grandes comentários.
Por vezes está tudo na nossa cabeça. Quando o cérebro desiste, é assim. Nem a liberdade de que gozamos, conseguimos aproveitar.



segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Good Evening.

E depois há aquelas noites em que a melhor e mais sumarenta meloa, se encontra com o mais licoroso dos Vinhos do Porto.


Faz-se assim:

Compra-se uma meloa madura.
Coloca-se no frigorífico (overnight).
Corta-se ao meio.
Retiram-se as sementes .
Enche-se o "cálice" natural com Vinho do Porto à escolha.
Saboreia-se.
Saliva-se.
Sobe-se ao paraíso.
Volta-se.
Ou se come a segunda metade, ou é melhor encontrar uma distracção.
Talvez um delicioso Montecristo, ou a memória de um.
Ou o que se quiser.

Enjoy.

Setembro

Só recentemente me apercebi como Setembro, mais do que Janeiro, é um mês de começos.
Após uma paragem, ou um abrandamento, durante o mês de Agosto, o balanço do ano é tipicamente feito em Setembro.
Há que limar arestas, tomar decisões, ganhar forças para o embate com o dia-a-dia. E é assim mesmo que deve ser, pois a maioria de nós teve tempo para descansar e recarregar baterias. Mesmo que não tenha tido férias. Em Agosto, o país abranda. E isso acontece para os que vão de férias e os que ficam a trabalhar (com a excepção dos que trabalham na área da Hotelaria e Restauração, claro). Paira no ar um aroma a férias, a descanso, a descontracção. Paira no ar o espírito descontraído do "tudo tem solução" e d' "a vida é bela".

A meu ver, Setembro é uma excelente altura para tomar decisões mais difíceis. Precisamente porque estamos mais fortes, ânimo retemperado, muita força interior. Pelo menos temos condições para isso.
Há o factor "regresso ao trabalho" com que temos que lidar, e que parece mais complicado de enfrentar após uma pausa maior, mas também temos que lidar com ele no dia 2 de Janeiro, quando não calha a um Sábado, e em Janeiro, de uma maneira geral, pouco tempo tivémos para descansar verdadeiramente. Aliás, a época de Natal e Ano Novo, têm muito de cansativo. E o retorno ao trabalho até se faz, na maioria dos casos, com uma aceleração menor do que em Setembro. Digamos que a paragem para o Natal e Ano Novo, são curtos períodos de descanso parcial, em que não chegamos a desligar do trabalho de forma tão completa como o fazemos no Verão.
Talvez seja até por isto que geralmente, as resoluções que tomamos para o Ano Novo, sejam menos entusiastas, menos ambiciosas e menos cupridas, também.

O sol do Verão tem em nós uma influência muito positiva para este recarregar de baterias que não se verifica com tanta intensidade no Inverno. Os níveis de produção e circulação de hormonas como a serotonina, a dopamina e a melatonina aumentam com o número de horas de exposição à luz solar e são, de uma forma simplista, as principais responsáveis pelos níveis de bom humor, energia e melhor regulação do ciclo do sono. Os dias longos de Verão são nossos aliados na reunião de todas as condições para um regresso produtivo de preparação para os meses de Inverno (que trazem também a grande azáfama das festas da época).

Definitivamente, Setembro é um excelente mês para se fazer coisas que requerem muita força animica!

Desejo a todos uma excelente e enérgica "Rentrée", cheia de planos e decisões firmes! :-)