sábado, 15 de novembro de 2014

A perfeição da diversidade

Às vezes é assim. Há assuntos que se repetem mesmo sem que se queira muito. Mas dei de caras com uma imagem que me despertou aqui o bichinho da escrita e é para isso mesmo que serve um blogue. Escrever. E partilhar pensamentos.

Há dias, uma marca de lingerie sobejamente conhecida lançou uma campanha com uma fotografia de várias modelos de passerelle (ou com parâmetros corporais/medidas semelhantes) adornadas com os respectivos soutiens e cuecas.

Na imagem lia-se "The Perfect "Body"".

Logo estalou a polémica. Muitas queixavam-se que o corpo perfeito não era aquilo. Que a marca estava a querer, mais uma vez, transformar a Mulher numa escrava do seu corpo. Dos padrões. Das medidas. Outras diziam que "The perfect Body" era apenas o nome da linha de lingerie da marca (pois, como se esse nome tivesse sido escolhido de forma inocente. Yeah, right).

Os homens que se aventuravam a comentar, eram mais pragmáticos nos seus comentários: uns diziam que corpos assim eram esteticamente agradáveis. Outros diziam que não gostavam de ossos.

No fundo é só mesmo isto: uma marca a querer dar que falar. É só isto. Porque nem sequer se trata de uma questão feminista. Não é querer pôr a mulher a pensar que tem que agradar ao homem com lingerie bonitinha. Não é querer pôr a mulher a sentir-se bem consigo mesma, no seu corpo. Não é querer que as mulheres se rejam todas pelo mesmo padrão. Ponham uma coisa na cabeça: o que está na "cabeça" das marcas é, unica e exclusivamente, vender. E quando se desenha toda uma colecção de trapos (com medidas totalmente desadequadas, digo já), é preciso conseguir vendê-la. E não passa disso. É só buzz. Quanto mais se falar, melhor! Um tiro no pé? Nada disso! Fale-se mal ou bem, fala-se. E as pessoas compram. A fotografia anda a circular na internet.

Sobre a questão de agradar aos outros: como se vê pelos comentários, uns gostam de umas coisas, outros de outras. Não há "todos os homens gostam de mulheres de passerelle". Não há "todos os homens gostam de mulheres com curvas". Há diversidade. E a campanha da concorrência, que inclui medidas bem mais diversificadas do que a primeira marca, é mais inteligente (apesar de não ser uma aposta original. É apenas uma resposta!). A inteligência vende menos. É certo. Há que alertar para e divulgar o princípio da diversidade! ;-)


16 comentários:

  1. Eu acho que eles fazem tamanhos pequenos porque usam tecidos muito caros. Estão a rentabilizar. :p hehe
    Brincadeiras à parte, voltamos outra vez à forma distorcida do conceito de beleza da sociedade de hoje.
    Somos todas bonitas. Ponto!
    Beijinhos**

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso! E há que procurar força e auto-estima nisso mesmo. Somos todas bonitas aos olhos de alguém! E devíamos sê-lo também aos nossos próprios olhos! Ponto! :-)

      Eliminar
  2. É a tal história: falem bem ou falem mal, o que interessa é que falem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é. E infelizmente, raras são as marcas que nascem com a preocupação do bem-estar dos seus potenciais clientes. Para a grande maioria, a grande preocupação é a quantidade. Quanto à qualidade, depois logo se vê. Se a coisa der para o torto.

      Eliminar
  3. Acho que um corpo perfeito, é um corpo saudável! Seja mais magrinho ou cheiinho, tem que haver o bom senso do meio termo! Assim como acho perigoso que coloquem modelos esqueléticas como padrão de beleza perfeito, também acho incorrecto dizer que um corpo com visível excesso de peso é normal. Apenas por razões de saúde e não estéticas, atenção!
    É verdade que o tipo de corpo que a VS mostra não é o comum, mas são ao modelos "deles", que desfilam para eles. Dificilmente utilizariam outras modelos, fosse que campanha fosse! :)*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade! Mas repara que as modelos da outra campanha não são todas cheinhas. Há de vários tamanhos. ;-) Não se trata de promover a obesidade e sim a realidade. Porque todas as mulheres precisam de cuecas e soutiens independentemente dos problemas que tenham que resolver. E certamente não precisam do stress psicológico adicional da promoção do "corpo perfeito" como sendo inalcansável para elas. A meu ver, claro! ;-) Mas sim, nunca a VS faria desfilar outro tipo de modelos. Pelo menos enquanto não houver uma mudança de mentalidade. Que deficilmente haverá também. ;-) É bom haver outras marcas que se dedicam às outras medidas. ;-)

      Eliminar
  4. Na verdade, concordadando, o mais importante é a saúde!
    No meio termo estará sempre o equilíbrio... E é essencial cultivar, cultivar a auto-estima!
    Por que... Se eu não gostar de mim quem gostará?!... ;-)

    ResponderEliminar
  5. Concordo com a diversidade! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que todos concordamos, apesar da tendência atávica para o "rebanho"...

      Eliminar
  6. Gosto mesmo da imagem de baixo. Até o corpo perfeito é um estado de espírito :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "até o corpo perfeito é um estado de espírito". GOSTO! :-) É mesmo isso! :-)

      Eliminar